Growth Hacking: como aplicá-lo em sua startup?

Tempo de leitura: 8 minutos

Já ouviu falar sobre Growth Hacking? Se você tem uma startup ou pretende criar uma, não pode deixar de lado esta estratégia que é uma grande realidade das startups que têm um crescimento acelerado. Pois Growth Hacking é o TERMO do momento no universo das startups!

Mas calma aí, do que se trata mesmo? Como ele funciona? Quais são os pré-requisitos para implantá-lo?

Não se preocupe, pois nesse post você vai descobrir o que é Growth Hacking, como aplicá-lo e como fazer sua startup crescer por meio dele!

O que é Growth Hacking?

O Growth Hacking é um termo cunhado por Sean Ellis, em 2010, e é uma tática empírica que visa o crescimento da startup por meio de uma metodologia testável e escalável, e existe um profissional que vai desempenhar tal função: o growth hacker.

O growth hacker utiliza criatividade e métricas sociais obtidas por meio de testes e experimentos para encontrar oportunidades e brechas (hacks) a fim de fazer crescer (growth) a startup, aumentar as suas vendas e melhorar a exposição da marca.

E onde podem estar focadas as ações de Growth? No geral, ficam dentro do time de marketing, com ações e demandas para o time de vendas. Contudo, podem também ter foco no produto ou serviço, e aqui é onde ele mais é importante para as startups.

Onde podemos encontrar um Growth Hacker?

Como foi dito acima, o ideal é ter um time de Growth para trabalhar na área de marketing ou ainda na parte de ações relacionadas a produtos e serviços, a fim de trazer ideias criativas para o crescimento, baseadas em estatísticas e dados.

E nós diríamos que a equipe também deve estar preparada para testar métodos inovadores, a fim de tornar a pequena ou média startup competitiva num cenário de grandes empresas.

Ah, sim, e se você tem uma startup, é perfeita para utilizar o growth hacking. Sabe por qual motivo? Por ter pouca burocracia, dando espaço para ideias novas, focando inicialmente em pequenos crescimentos, contudo escaláveis.

E com o aprendizado, é possível utilizar a metodologia que dá certo a fim de impulsionar a startup de forma mais agressiva no mercado. E tendo sido comprovado, por meio de dados e estatísticas, que as ações dão certo.

Agora que sabemos o que é o Growth, precisamos explicar como usá-lo em sua startup.

Estratégias de Growth Hacking para aplicar em sua startup

Primeiro precisamos frisar que cada caso é um caso. Por mais que algumas técnicas de Growth Hacking tenham funcionado bem para algumas startups (Facebook, Dropbox, LinkedIn, Pinterest e PayPal são alguns exemplos de sucesso), elas podem não funcionar na sua.

Infelizmente, não existe uma fórmula mágica que, se aplicada de maneira correta, alavancará todas as startups do mundo. Não é assim que as coisas funcionam no universo do empreendedorismo, né?

Porém, o que existem são algumas práticas que, estatisticamente, geram melhores resultados quando aplicadas corretamente. E são algumas dessas práticas que abordaremos agora:

  • Conheça seu produto e saiba qual problema ele resolve

Conheça seu produto da melhor maneira possível, de todas as formas imagináveis. Saiba exatamente como ele funciona, o que é capaz de fazer e o que não é capaz. Saiba para qual público-alvo ele é destinado e, principalmente, saiba quais os problemas desse público que ele resolve.

Quanto mais intimamente você conhecer essas questões, melhor será o desenvolvimento e aperfeiçoamento do seu produto. E uma ótima estratégia para entender melhor os pontos fortes e fracos de seu produto e de sua empresa, é analisar o funil de vendas.

Os dados estatísticos vão mostrar em quais pontos as taxas de conversão conseguem ser mais altas, e onde também devem ser trabalhadas a fim de melhorar o retorno dos leads.

Entender as dores do seu cliente, bem como saber como entregar a solução, podem gerar melhorias em vendas e gerar mais engajamento e uma maior fidelização de clientes.

  • Tenha ideias, muitas ideias!

Um dos pontos importantes relativos ao Growth Hacking é ter muitas ideias. E como? Que tal fazer brainstormings? Eles são ótimos para a equipe se conectar, interagir e buscar novas soluções.

Mas é preciso ter foco, pois não adianta um monte de ideias que não têm nada a ver com os problemas e as soluções. Portanto, a equipe deve ter uma meta: o que a gente pretende solucionar e como?

Outro ponto importante é que a equipe também deve entender a concorrência, e benchmarkings são extremamente importantes para isso. E por qual motivo? Bom, ao entender as outras empresas, tanto em seus aspectos positivos quanto negativos, ajuda a sua startup a crescer, pois é possível visualizar onde você não deve errar. Também é possível saber em quais pontos você terá sucesso.

  • Faça testes e obtenha dados relevantes

O foco do Growth Hacking é obter bons resultados utilizando-se de poucos recursos financeiros, e a melhor forma de se fazer isso é com base na experimentação.

Ou seja, promovendo testes e experimentos capazes de fornecer dados relevantes sobre o produto, sobre o público-alvo, sobre a área da empresa etc. E, com base nesses dados, será possível implementar a estratégia mais adequada para fazer crescer a startup.

Portanto, quanto mais testes e experimentos você fizer no mercado, mais dados você terá à sua disposição. Dessa forma, sua startup conseguirá trabalhar melhor para encontrar brechas capazes de aprimorar seu produto e solucionar os problemas do seu público-alvo.

Neste ponto, vale muito a pena apostar em prototipação, em vez de já tentar a entrega de um produto acabado, que pode encalhar nas prateleiras, ou mesmo não ter um retorno forte.

Portanto, é ideal sempre ter clientes-beta, a fim de testar não só as funcionalidades do produto, como ainda gerar um retorno sobre as expectativas do mercado: serão positivas ou negativas?

Nesse artigo sobre MVP explicamos melhor a importância de se conhecer o seu público e as funcionalidades do seu produto antes de ele ser lançado oficialmente. Para aprofundamento no assunto, sugerimos que você leia o artigo com bastante calma.

  • Use vídeos!

As pessoas gostam muito de assistir vídeos (basta ver o sucesso do YouTube!). E já que nós, seres humanos, processamos informações visuais 60 mil vezes mais rápido do que em texto, uma ótima forma de gerar engajamento com seu público-alvo é por meio de vídeos.

As chances de um vídeo viralizarem na internet são muito maiores do que as de um texto ou uma imagem.

Mas esses vídeos não precisam falar só sobre seu produto, nem ficar exaltando as qualidades dele. Podem contar uma história triste, cuja única solução é o seu produto, por exemplo; ou a área de atuação da sua startup.

Ou podem ser tutoriais que mostram como apenas o seu produto é capaz de resolver determinado problema da sociedade de forma simples e barata. Ou, ainda, pode ser um “gif” que faça referência à sua startup.

Enfim, as possibilidades são várias e dependem apenas da sua criatividade para serem implementadas.

  • SEM – Search Engine Marketing

Consiste na utilização e compra de palavras-chave em ferramentas de busca, como Google, Bing e Yahoo, por exemplo.

É uma técnica de Growth Hacking bastante eficaz a curto, médio e longo prazo para atrair visitantes para o seu site e blog.

Porém é necessário um investimento constante para sua manutenção.

  • Anúncios em Redes Sociais

Com a quantidade estrondosa de usuários de redes sociais, no Brasil e no mundo, vale muito a pena investir em anúncios nessas mídias.

Anúncios no Facebook, Instagram, Twitter e Linkedin, por exemplo, podem gerar resultados rápidos para sua startup em vendas e clientes, ou para a exposição da sua marca.

O ponto positivo é que, se feitos da maneira correta e direcionados para o público certo, os anúncios são bem baratos em comparação com outros tipos de publicidade.

  • Inbound Marketing

Utilizando o Inbound Marketing como estratégia de Growth Hacking, o foco da sua startup estará na geração de conteúdos relevantes para os seus clientes e possíveis clientes. Com isso, você estará visando atrair e converter visitantes em leads.

Vale lembrar que a utilização do Inbound é totalmente online, feita por meio de blogs, redes sociais, podcasts, e-books e vídeos, por exemplo.

Ainda que dê um pouco de trabalho para gerar conteúdos relevantes para seu público-alvo, o Inbound é barato, o que é importante para sua startup.

Conclusão

Com estas dicas sobre Growth Hacking, você já será capaz de gerar importantes resultados para a sua startup.

Até a próxima!

www.logoaceleradora.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.